Sem movimentos devido a um acidente a 30 anos, violonista volta a tocar

Rosemary Johnson

Eduardo Miranda

Alison Balfour-Paul

TECNOLOGIA IDEALIZADA POR BRASILEIRO PROMOVE UM EMOCIONANTE REENCONTRO COM A MÚSICA, 30 ANOS DEPOIS DE UM ACIDENTE QUE TIROU OS MOVIMENTOS DE ROSEMARY JOHNSON

Rosemary Johnson perdeu seus movimentos e fala, mas utilizando alguns sensores adaptados e acoplados em sua cabeça, conseguiu selecionar em uma tela um conjunto de notas que foram tocadas em tempo real por Alison Balfour-Paul, uma antiga colega da violonista.

A performance foi registrada em um mini documentário, e a música foi tocada ao lado de uma orquestra, proporcionando esse emocionante registro.

O RESPONSÁVEL PELA TECNOLOGIA

O responsável pela tecnologia é o brasileiro Eduardo Miranda, que é professor da Universidade de Plymouth na Inglaterra. Ele dedica-se há anos a pesquisas que unem computação e biologia, com o objetivo de possibilitar a pessoas com deficiência uma forma de se expressar musicalmente.

“Na primeira vez que fizemos um teste com a Rosemary, fomos às lágrimas. Podíamos sentir a “alegria vindo dela” disse Eduardo.

A tecnologia foi desenvolvida em parceria com o Hospital Real para Deficiências Neurológicas em Londres, e seu estudo teve início em 2003 com uma equipe multidisciplinar de engenheiros e profissionais da área da saúde.

A música é uma linguagem universal e a tecnologia está devolvendo a emoção à pessoas como Rosemary.

CONFIRA O VIDEO DA EXPERIÊNCIA

últimas notícias